15 janeiro 2007

Abre a pestana-tana



Não sei como nem como me deparei com o apreço que nutro pelo chamado nonsense, pelo disparate inusitado, pelo absurdo imiscuído nos assuntos tidos como sérios.

Um universo onde essas bizarrias se dão particularmente bem é o da política. Como normalmente está lá longe, distante da minha vida real, a política pode ser tratada com a irresponsabilidade de quem a ela nada dá e dela nada recebe. Uma vez, numas eleições autárquicas e na sequência de uma directa em casa de amigos, fui votar. Votei no MUT (Movimento para a Unidade dos Trabalhadores), porque havia que premiar uma campanha eleitoral que na televisão envolvia momentos do mais genuíno vídeo amador.

Isto vem a propósito da iniciativa da RTP "Os Grandes Portugueses". É algo de tão vital para a vida real como a política, daí o que atrás foi dito. Num projecto desta envergadura social e cultural, não podia ficar de fora o absurdo que a todos anima. Fiquei a saber, e depois confirmei, que Hélio Pestana, que dizem ser actor e cuja fotografia se exibe, consta da lista dos primeiros 100 no percalço do título. Sinceramente, acho fantástico que alguém tenha passado o absurdo das boas intenções para a prática. Há mais quem espelhe esta bonita realidade paralela, votando em nomes como Carlos Lopes, Cristiano Ronaldo, Herman José, Irmã Lúcia, Joaquim Agostinho, Jorge Nuno Pinto da Costa, José Hermano Saraiva, José Mourinho, José Sócrates, Luís Figo, Maria do Carmo Seabra (número dois no ranking do absurdo), Mariza, Ricardo Araújo Pereira (número três no mesmo ranking), Rosa Mota e Vítor Baía (número quatro). Mas nenhum supera, em imponência, o estonteante Hélio Pestana.

Para que nada falte, aqui fica a biografia de Hélio Pestana publicada no site do programa da RTP:

"Hélio Pestana é um jovem: vinte e uma primaveras apenas. A 25 de Maio de cada ano (um minuto depois da meia noite, hora a que nasceu) fica menos jovem e, provavelmente, recebe inúmeras mensagens por sms e email de embevecidas jovens fãs, cilindradas pela sua meteórica e minimal carreira na ficção televisiva nacional. Enquanto estuda arquitectura, participa em várias novelas, dobrou um desenho animado (o carro de corridas Chick Hicks, do filme de animação da Disney/Pixar – “Carros”) e venceu a 2.ª eliminatória da 2.ª edição de “Dança Comigo”. Não é de crer que repita esta vitória neste programa, mas toca piano e, talvez, fale francês. Diz que «às vezes» se sente «um mártir». Esperamos que não seja o caso".

Mas isto pode ser do meu ouvido, que é 1 pouco mouco.

4 comentários:

  1. Eram europeias, meu caro, as eleições:)

    ResponderEliminar
  2. Um mártir, claro. Coitado, ou não fosse ele um candidato a Grande Português.

    Excelente blog, infelizmente descoberto apenas recentemente. Ainda assim vai directo para a lista dos links. Parabéns.

    ResponderEliminar
  3. o currículo fala por ele... :rolleyes:

    Mas percebo os outros, menos a maria do carmo seabra pois. Parece-me que tanto o herman como o araújo pereira revolucionaram de alguma forma o entretenimento(mais o primeiro que o segundo evidentemente).

    E mesmo o pinto da costa, para o bem e para o mal, revolucionou o dirigismo desportivo. Vá lá não estar a carolina salgado é uma sorte.

    ResponderEliminar