01 março 2007

"Legendary"...



O seu primeiro álbum, Frank, nem chegou a passar-me pelos ouvidos. Se o facto tem ou não importância, é coisa que por agora me ultrapassa.

Importante é, na realidade, confessar publicamente o fascínio por esta personagem inglesa de escassos 23 anos. É impossível ouvir "Rehab", o propalado single que apresenta o álbum Back to Black, e sair da experiência como se nada fosse.

Causa alguma estranheza ouvir a canção em causa, rejubilar com o trabalho que Winehouse e Mark Ronson tiveram para criar aquele som devedor das Shirelles e de Phil Spector e perceber que a menina diz, na canção, não ter querido fazer a desintoxicação que lhe aconselharam.

É como se de repente nos dissessem que Popeye é, afinal, agarrado à marijuana e não aos espinafres. Nada contra, seria apenas perturbador.

Aos 23 anos, Amy Winehouse expõe-se que nem gente grande. Fala e canta sobre namorados ("Rehab" terá, alegadamente, surgido na sequência de uma separação), divaga sobre as suas momumentais e recorrentes bebedeiras e blackouts, explica por que fumava 200 libras de erva por semana.

Tem um código musical de intocável bom gosto e ainda tem aquela postura vagamente desalinhada. Camden, o seu bairro, pode ter alguma coisa que ver com isto.

Amy Winehouse é, actualmente, o retrato perfeito do artista pungente e dilacerado, inteligente e jocoso, charmoso num universo dito decadente.

Dedico-me a ler a entrevista que Amy Winehouse dá a Sylvie Patterson para a edição de Março da revista The Word. Talvez apenas outra mulher fosse capaz de iniciar a prosa com dois parágrafos tão irresistíveis:

"She's in her natural habitat, in what she calls "a proper pub", at 1am in New York, drinking Jack Daniels and coke and playing pool to the Sound of The Specials' A Message to You Rudi just like the "boy's boy" she'll tell you she is.

Amy Winehouse is wearing extra-low-rise skinny denim jeans and a miniscule sleeveless black T-shirt, a galaxy of tattoos across her arms and midriff including a huge new anchor and the words "Hello Sailor". The hair is big, backcombed and black, half doo-wop '60s bee-hive, half Morticia Addams ghoul, while the golden-lettered pendant swinging round her neck spells "Legendary""
.

Parece ter o mesmo efeito devastador em dois parágrafos de um Eça em dois capítulos.

Mas isto pode ser do meu ouvido, que é 1 pouco mouco.

Sem comentários:

Publicar um comentário